Retardatário (Poesia)

Preciso de tempo pra aprender com os erros, preciso de tempo pra esquecer o passado
Preciso dela do meu lado, sinto o cheiro do seu afago
Estou do outro lado, tentando não ser tão dramático.
Calma… reinício o jogo. Eu já lidei com esse cansaço.

Quem sabe seja só ilusão da minha cabeça, quem sabe seja verdade
Quem sabe sinta saudade quando a neurose bate.
Fiquei solitário, aprendi a usar os meus sentimentos como remédio controlado
De pouco em pouco o vidro ficou estilhaçado
E nesse caminho fiquei pra retardatário…

Fico em choque quando o coração me dá um enquadro, nessa caixa não me encaixo
Entre o equilíbrio e a culpa: já sei quem vai vencer a luta.
Ela pode ser pura mas é a poesia que cura
Nunca peço ajuda e é por isso que bato na próxima curva…

Vou ficar em casa nas próximas semanas, Escrevendo cartas sem destinatário
Sem presentes de aniversário, cheguei atrasado
O beijo dela ainda é o melhor pecado.
Horário que não muda, nossos sonhos ficam em segundo plano.

Preciso aprender a tocar piano, viajar pra Amsterdã
Ganhar dinheiro e relaxar um pouco, yeah.
Na avenida que rasgou os laços, cada suspiro é um trago
Tenho desabafado com o meu amigo imaginário…

Sempre digo que tô bem mas vocês não vêem além desses palcos
O patrão tá me ligando e a tristeza tem se tornado um saco
O preço tem custado caro e no Titanic náufrago
Nem queria ser resgatado, deixe morrer afogado
Vendo monstros atrás do armário, estou tão cansado de chorar calado.

Continuar lendo “Retardatário (Poesia)”

Meio do caminho (Poesia)

Compra sem garantia, amor… Somos da terra perdida.
Talvez não possa voltar no tempo, o relógio é tão lento
Quero ar fresco e um abraço sonolento
Achar você por dentro, nesse labirinto me perco
Deixe o gênio, esqueça os três desejos…

Posso morrer cedo quando me perguntar se eu fui um bom filho
Me pareço com algum anjo caído, só preciso de abrigo
Registrei a melancolia do signo
Sigo procurando o seu sorriso
O universo é uma mulher, por isso os homens estão sempre entregues…

Celebre passagem, alguns que conheci não estão mais aqui
Perguntei aos céus o que ele esperava de mim
E Deus me respondeu com sorrisos e abraços.
Aprecio o momento de elevação
Preciso dessa fonte de inspiração…

Eu nunca fui perfeito, diariamente cometo erros
Mas pelo menos sou sincero comigo mesmo
Entendo seu posicionamento, se apaixonar por um poeta pode ser perigoso
Confuso e embaraçoso
Como aquela tempestade que está se formando.

Aos poucos vou entendendo que todos temos nossos momentos paralelos
Me dê o seu endereço, quem sabe um dia apareço.
Gosto do amor mesmo sabendo que o sentimento não é recíproco
Matando o meu ego e desabafando desde o começo.

Eu ainda sofro por não ter te amado
Então saiba que se os meus poemas fizerem sucesso
Foi porque perdi o amor da minha vida no meio do caminho
Às vezes a semente germina da dor, foi bom enquanto durou…

Continuar lendo “Meio do caminho (Poesia)”

Sem rumo

A ascensão e a queda…

Meu peito parece um navio que afundou cedo demais. Os sentimentos nunca foram localizados, assim como Atlântida. E talvez, eles estejam sem rumo. Assim como o meu corpo…
Ontem, durante uma discussão banal, te falei coisas pesadas apenas para elevar o ego. Tomei uma atitude burra, infantil e insegura.
O que estou fazendo nesse momento? Ouvindo alguns discos do Tim Maia. Esperando que a culpa saia pela porta.

Pela idade que tenho, já deveria ter aprendido que palavras jogadss ao vento nunca retornam… Mas sou orgulhoso demais para admitir o meu próprio orgulho. Maldito orgulho! Pra que todo esse orgulho?  Será o medo de admitir que sou frágil? Será que os outros caras vão achar que sou fraco?
Me sinto tão distante do que era a minha essência antigamente, daquele menino sorridente que não se importava com a opinião alheia e só almejava ser feliz.
Já faz anos que não sou mais o mesmo…

Os flashes de pessoas anônimas não me incomodando mais. Esse cara do pôster, do maior outdoor da cidade se tornou um verdadeiro desconhecido. Entrei no modo automático, me tornei uma máquina e consequentemente, acabei perdendo a única coisa que ainda me mantinha humano.
Não acho que o causador disso se deve a fama e a grana porque só existe um único culpado nisso: Eu mesmo!
Não é o dinheiro ou a fama que te torna um cuzão.
Você se tornou um cuzão quando se desconectou das suas raízes! Esqueceu de onde veio. Esqueceu de toda a luta até chegar no topo da indústria. E agora só está colhendo o que plantou!
Sobre a localização do seu coração? Eu não tenho nenhuma informação. Terá que recupera-lo sozinho.

Cada escolha, uma renuncia. Aprenda a conviver com a sua….

Originalmente postado no Medium

Continuar lendo “Sem rumo”
%d blogueiros gostam disto: