Selva de pedra (Poesia)

Sei que sou impaciente de nascença, não há nada que me esclareça.
Pode ser que um dia eu mereça sua amizade, sua grana, sua confiança
Quem sabe, conquiste seu amor por meio dessas rimas
Onde ninguém corta o clima, aonde estou? Em algum lugar inóspito chamado consciência…

E na língua portuguesa o amor continua sendo verbo mas deixou de ser sentimento faz tempo
Não o julgo mais, porque deixei de amar também.
Rancoroso, chato, características dignas de um canceriano
Me decepciono rápido e fácil, mas não desisto na mesma proporção…

Tá aí o lado bom de ser teimoso, sempre buscando algo novo
Peço colaboração para interpretar as palavras, já deixei a redenção de lado.
Vejo varios deuses morrendo por causa do dinheiro
Correndo atrás do objetivo, quero ser o novo menino do torro.

Milionário, sem perder a essência da parada
Na calada, eles matam e jogam os corpos nos rios
Pra vários sou indigente por ter pouco verde na carteira
Incriminam o pobre botando o “Verde” na mesma carteira.

Sacou o esquema? Viver nessa cidade é treta
Tem que se ligar nos olhares rápido
Se não acaba virando comida pros ratos
Selvagem como a selva, ela é de pedra…

Publicado por Kaue olah Lopes

Compositor /Poeta 🦋✍🏼 ♿️22 anos 📚Jornalismo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: