Raposa de 9 Caudas (Poesia)

O tempo perdido não se recuperará, palavras vão faltar

Me recordo de umas linhas bonitas que foram perdidas, não vou chorar

Os textos que escrevi, trazem a lembrança de uma época ruim, fim

Da mesma monotonia, da falta de sintonia, de alguma covardia…

Eu nem penso nisso no meu dia a dia, tive que controlar o ódio pra não xingar

Cuspindo rimas pra acalmar a fera que habita em mim.

Vou alavancar isso tudo, RAP é o meu culto, me tira do surto

Boto sempre o meu som em primeiro lugar, quem irá me julgar?

Sou bipolar sim, porque não consigo aturar essa chatice

De olhar só pra si, de falar sobre quantas roupas comprou essa semana

De aguentar seu porre no bar, hoje não vai acordar

As vezes sinto a raposa de 9 caudas pulsando, por isso nunca vou amar.

Conta incalculável, peito inabitável, dom inestimável.

O poeta das sombras ressurge, fênix negra pronta pra contaminar

Espíritos a tocar, sexto sentido prestes á apitar

Incapaz de se humilhar, implorando pra voltar, melhor sua boca calar.

Se a vaidade feminina destrói, a ignorância do homem mata

Os dois estão errados ninguém tem que argumentar

Mulheres são feitas para amar, e de você eu só gostei

Talvez a única mulher que vou amar tem o nome de mãe, infelizmente não pude me doar…

Publicado por Kaue olah Lopes

Compositor /Poeta 🦋✍🏼 ♿️22 anos 📚Jornalismo

Um comentário em “Raposa de 9 Caudas (Poesia)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: