Ano zero (Poesia)

Estive sonhando acordado, o peito pesado Pensando em coisas efêmeras, a enfermaria me espera. Recuperando dos traumas, frio na calada Cara fechada, com a mente transtornada… Eles queriam mais uma poesia de amor, o mundo está tão confuso que só consigo ouvir choro e dor As trevas em mim já passaram, espíritos baixos lamentaram CabeçaContinuar lendo “Ano zero (Poesia)”