Déjà vú (Poesia)

Esquizofrenia, 7 da matina
Lobo na matilha, arma segue na mira
Sigo na minha, filmando a trilha
Neuras da antiga, procurando aconchego numa cidade fria.

Vou me isolar em uma ilha, assim ela não me acharia
Vivo em câmera lenta, esperando alguma profecia
Ingênuo era pensar que tudo acabaria
Queriam minha cabeça e eu só entreguei uma peça…

Cada vez mais profundo mesmo pisando no razo
Saiba que sempre deixo rastros, rodas marcada no asfalto.
E se essa noite eu morrer? Pelo manos, vou recuperar minha liberdade
Anos sem sanidade, me transforme em uma entidade.

Penso mil anos à frente, os anjos me deram essa oportunidade
Não sinto mais culpa, piso na lua
Pureza no olhar de uma criança, quero a paz nua e crua
Ando ao lado da alma feminina, vou dar tudo pra minha filha.

Enganei o tempo, riqueza fora do templo
Não escapei do seu beijo, isso é o que desejo.
Nossas vidas passadas foram feitas de erros, hoje é um novo começo
Déjà vu sem lágrima e sofrimento.

❤️

Publicado por Kaue olah Lopes

Compositor /Poeta 🦋✍🏼 ♿️22 anos 📚Jornalismo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: