Lembrança vaga (Poesia)

Jurei que seria a última vez, sonhando com algum romance louco em ParisCurei essa cicatriz, fiz ela acreditar que o céu não teria fimSe me encontrasse agora, jamais reconheceriaJoguei a máscara fora e as imagens estão se perdendo. Sempre no mesmo processo lento, escrevo quando acordoProcurando o primeiro amor que não tenha nenhuma característica deContinuar lendo “Lembrança vaga (Poesia)”