Efêmero II

Todas as vezes que eu me entreguei, me fudi
Já ouvi: “Para de se iludir, essa fita vai te trair”
Poeta tirano com o coração cigano, a maioria é dessas
Na maioria delas fui profano, pegue o caminho do retorno!

Cores de Picasso com um coração de aço, pulmão prejudicado pelo cigarro
Entrando em colapso, jogado no calabouço
Foda-se o bozo, tive medo do precipício e agora não sei o resultado
Paredes que me deparo, sou o meu próprio amparo…

Nunca fui de chegar em garotas, flutuo na Lagoa
Sou bem mais que as rodas, não puxe a corda!
Vem pro meu samba, ela entra na dança
Já que é tudo efêmero, termina na minha cama…

Atento com a lama, qualquer hora acontece uma falha
Parei de ser canalha e abri as asas
Tô pensando longe, O que a bússola não me trouxe?
Ouvia Charlie Brown e agora tô escutando froid.

Depois de quase 2 anos, me vejo em qualquer canto
Respiração complicada, a fumaça foi uma metáfora
Já secaram as lágrimas, agora são só sonhos.

Talvez, minha ex ainda me ache um bosta
Quer saber a real? Dane-se! Agora é outra realidade!
Hoje eu entendo, tudo tem seu tempo, talvez isso sirva de exemplo.
Estou além do corpo físico e esse ciclo tá fechado…

Obrigado pela leitura! 💛

Veja também:

Efêmero


Efêmero II by Kauê olah Lopes is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Publicado por Kaue olah Lopes

Compositor /Poeta 🦋✍🏼 ♿️22 anos 📚Jornalismo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: