Efêmero II

Todas as vezes que eu me entreguei, me fudiJá ouvi: “Para de se iludir, essa fita vai te trair”Poeta tirano com o coração cigano, a maioria é dessasNa maioria delas fui profano, pegue o caminho do retorno! Cores de Picasso com um coração de aço, pulmão prejudicado pelo cigarroEntrando em colapso, jogado no calabouçoFoda-se oContinuar lendo “Efêmero II”

Abrigo de espinhos

Eu sei que no fundo as pessoas não querem saberSe vou morrer ou viver, se vou ficar ou partirE mesmo assim preciso dizer tudo aquilo que se passa no meu conscienteSobre o que podia ser diferente, sobre tudo que somente ela entende. O espelho tem andando meio embaçado ultimamenteRezei para Deus, pedindo saúde aos meusArcoContinuar lendo “Abrigo de espinhos”

Transparente rubi

Perdi o controle desde o início, isso é apenas vícioTrinco o meu peito, prometo continuar sem ressentimentoEstou em outro momento. Desculpas causadas pelo contratempoVamos voar, aperte os cintos… Não confie nos contos, ninguém é mais criança aquiA sombra dela sumiu logo ali, transparente rubi.Parei de fingir, foda-se se eu mentiSofri as consequências sozinho e talvezContinuar lendo “Transparente rubi”